BR 101 - KM 584 - PARATY - RIO DE JANEIRO - BRASIL

  • Quilombo do Campinho

Orquestra Mundana Refugi

A Orquestra Mundana Refugi surgiu a partir da Orquestra Mundana, composta por músicos profissionais oriundos de várias partes do Brasil e do mundo que viviam na cidade de São Paulo, que reúne muitos povos. Foram centenas de concertos no Brasil e no exterior, com formações variadas, tendo como integrantes ou convidados artistas da Í ndia, do Japão, do leste europeu, de diversos países africanos, do continente americano e de várias partes do Brasil. Com isso, a cultura brasileira se uniu a muitas culturas, revisitou suas raízes mais profundas, se aperfeiçoou, ganhou novos conceitos, influenciou outros povos e se fez presente no mundo. 


Numa conversa informal com a assistente social e historiadora Cléo Miranda, na cidade de Paraty-RJ, o regente Carlinhos Antunes a convidou para que juntos, no aniversário de 15 anos da Orquestra Mundana, levassem adiante um projeto que tivesse como foco os refugiados e os novos imigrantes de São Paulo e que transcendesse a música, envolvendo os aspectos sociais e humanos que essa temática exige. Não por coincidência, mas por afinidade de pensamento e ação, ela estava decidida a fazer algo nesse sentido e juntar paulistanos que pudessem ser mais solidários e acolhedores com esses povos migrantes. Foram meses de preparação, conversas, debates, até que o Sesc São Paulo acolhesse o projeto REFUGI. A parceria aconteceu em junho de 2017, no Sesc Consolação, que recebeu dezenas de refugiados e imigrantes em oficinas de música e dança, debates, encontros e concertos que duraram dois meses .  O primeiro CD, gravado ao vivo em agosto de 2017, é fruto desse trabalho intenso que uniu muitas vozes e muitas mãos sem as quais ele não existiria. A antes ORQUESTRA MUNDANA passou a ser chamar ORQUESTRA MUNDANA REFUGI, com novos músicos vindos da Síria, Palestina, Congo, Guiné e Irã, França, China.


Carlinhos Antunes - cordas e direção musical - Brasil Abou Cissé - percussão - Guiné-Conacri Beto Angerosa - percussão - Brasil Claudio Kairouz - kanun árabe - Brasil Daniel Muller - acordeon - Brasil Danilo Penteado - piano - Brasil Hidras Tuala - voz - Congo Leonardo Matumona - voz - Congo  Luis Cabrera - saxofone - Cuba Mah Mooni - voz - Irã Maiara Moraes - flauta - Brasil Mariama Camara - voz e percussão - Guiné-Conacri Mathilde Fillat - violino - França Nelson Lin - cítara de martelo - Brasil/China Oula Al-Saghir - voz - Palestina/Síria Paula Mirhan – voz - Brasil Tiago Daiello – contrabaixo - Brasil Yousef Saif - bouzouki - Palestina Pedro Ito - bateria - Brasil Raouf Jemni - kanun turco - Tunísia Rui Barossi - contrabaixo – Brasil

21 visualizações